Olá membros do Grupo

 

Sou novo no Lean Healthcare e ainda não enfrentei nenhum desafio nesta área. De fato, até o momento venho trabalhando com implantações de Lean Manufacturing e Lean Office.

 

Contudo, às vezes fico "simulando" uma implantação do Lean numa clínica, pois minha esposa é médica. (peço que ninguém conte pra ela, certo ? rsrsrs)

 

Uma das minhas dúvidas seria: Como estabelecer o tempo de ciclo de uma consulta ?

 

Abs

 

Carlos Moretti

Exibições: 529

Respostas a este tópico

Carlos,

Vivemos a mesma realidade. Minha esposa também é médica, mas não chego nem perto do consultório dela. Mas estou desenvolvendo um trabalho na área de saúde mas.... saúde animal.

Mas acho que você tocou em um ponto importante pois uma das maiores dificuldades é realmente em relação ao tempo de ciclo, pois do ponto de vista de valor agregado ao cliente é ali que a "coisa" acontece. Portanto, em tese, a limitação deveria ser a complexidade do tema abordado. Se a pessoa tem um pequeno resfriado pode levar 20 minutos o atendimento, mas se a pessoa tem indícios de pneumonia, o tempo será maior.

Mas como devemos ser racionais, em minha opinião, deveriam verificados os tempos dos elementos de trabalho de uma consulta típica e através dele definir um tempo padrão, sabendo que as varições SEMPRE vão ocorrer.

 

Importante nesse processo também, voltando ao ponto do valor ao cliente, é que, muitas vezes, os médicos são mais psicólogos do que médicos. Portanto ao falar em tempo padrão deve-se tomar cuidado o "calor humano" de um consultório que pode ser crucial para o retorno do cliente.... ou não.

 

Espero ter fomentado a discussão.

abraços

Olá Evaldo.

 

Concordo, parcialmente.

 

Que não nos escutem nossas esposas, mas entendo que a realização de um exame ou uma Consulta são "desperdícios que não posso evitar".

 

Veja: Se vou a uma oftalmologista, para que ela me prescreva óculos, o meu problema será resolvido (=valor) no momento que eu sair da ótica usando os novos óculos e não quando saio da consulta com um receita de óculos!

 

O que vc acha?

 

Olá Carlos

 

Já trabalhei com a implementação do Sistema Lean em um Pronto Socorro.

Tenho um artigo publicado sobre o trabalho realizado no site do Lean Institute Brasil.

Para você chegar ao tempo de ciclo de uma consulta médica, você terá que medir o tempo de cada consulta pelo menos 10 vezes para cada médico/especialidade médica e obsevar os tempos encontrados. Se houver grandes diferenças, aconselho a medir outras 10 vezes e depois analisar o tempo que mais se repete para uma consulta médica. Nunca o mínimo.

Espero ter contribuido com suas dúvidas. Estou a disposição para maiores esclarecimentos.

 

Abs

Mara Ferro

 

Olá Mara

 

Muito interessante. Na verdade é a mesma abordagem do Manufacturing.

Vc poderia me mandar uma cópia doo seu artigo? (carlosemoretti@terra.com.br)

 

Grato

 

Carlos

Prezado Carlos, boa noite!

 

Sua pergunta é muito fundamentalista no ponto de vista da qualidade da assistência à saúde de um paciente frente ao propósito lean, seja em parâmetros de especialistas, generalistas (o que ainda ocorre) ou higienistas para o setor saúde.

 

Além de conhecer um pouco das outras metodologias de gestão em saúde que veem sendo desenvolvidas desde a época de sócrates, Florence Nightingale, tais como o Joint Commission, ONA e etc, atuo eventualmente com auditorias nestas instituições assistenciais e o que concluo hoje é que:

 

todo o processo de atendimento ao paciente, desde sua entrada até sua saída, independente de ser uma emergência ou urgência, pode sofrer melhorias, mas não há ferramenta (a não ser o conhecimento médico) que controle o tempo takt do atendimento médico à um paciente através de anamnese, estudo do corpo, sintomas, reflexões, feedback médico e paciente. Esse tempo que pode ser calculado indicará um valor determinado por um gargalo no tempo de espera do próximo paciente e assim se segue até o final daquele como uma cascata de tempo que só tem a se somar, ou seja, saúde, cuidado, segurança ao paciente, são produtos de um hospital e este processo se fundamenta em sua pergunta.

 

Tempo de ciclo de uma consulta é um dos motivos do aumento do tempo de espera e que pode gerar stress financeiro, stress para a saúde, stress para a sociedade. Partindo daí, acredito que o GBO seria eficaz para calcular quantos médicos são necessários para a demanda de pacientes.

 

Volto com outra pergunta: Atualmente, nos ambientes hospitalares, em suas pesquisas de satisfação de clientes, nas reclamações recebidas com frequencia, todas indicam em 90%, o tempo na demora do atendimento. Além do GBO qual a forma de diminuir este "desperdício" excessivo de tempo se não considerarmos o tempo de resposta de autorizações de planos de saúde?

 

 

Abraços,

 

Peres.

 

 

 

 

 

 

 

Carlos,

A minha área não é a de saúde, porém tenho trabalhado bastante no sistema lean (pra falar a verdade, TPS - Toyota Production System), e para se estabelecer um tempo de ciclo "confiável" é necessário padronizar as operações. Entendo que para uma consulta, teremos variáveis que podem eventualmente quebrar este padrão. Na indústria automotiva, as operações (principalmente as manuais), são minuciosamente detalhadas, movimento por movimento. Trabalha-se com um documento chamado "Trabalho Combinado", no qual são inseridos todos os tempos manuais e automáticos. A soma destes tempos por operador deve ser igual ou menos ao takt time. Talvez, no seu caso, possa ser criado vários padrões de consultas, porém com um certo nível de padronização. Não sei se ajudei, mas de qualquer foma, sucesso em seu desafio.

Abs.

Roberto Pansonato

RSS

Badge

Carregando...

O Grupo Lean promove a interação e o networking de profissionais praticantes e estudiosos de Lean System.

© 2017   Criado por Grupo Lean.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço